JD4: Casal casado com os consignados

COMPARTILHE COM SEUS AMIGOS

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp

Olá,

Meu nome é Talita Gress, fui aluna da 4ª Jornada da Desfudência, treinamento de finanças e mindseat da Nathalia Arcuri e resolvi aplicar os ensinamentos que aprendi no curso com pessoas que não haviam nunca nem ouvido falar de MePoupe!.

Quando eu iniciei o curso, estipulei duas metas: ser a aluna nota 10mil para conhecer a Natha e criar um passo-a-passo da Jornada, possível de replicar em qualquer pessoa a minha volta. Eu queria que mais pessoas, principalmente a minha família, chegasse ao topo da montanha comigo, afinal, como sempre digo, ENRIQUECER SOZINHA NÃO TEM GRAÇA!

No início, a ideia era ajudar pessoas próximas, mas vocês verão, nesse e nos próximos posts, o projeto foi MUITO além.

A ideia era simples: aplicar o que aprendi nas aulas em outras pessoas que não tiveram contato nem com a Nath nem com o Me Poupe! que hoje é o maior canal de finanças do mundo. Será que só colocando o método da Nath, sem a presença (e autoridade dela), ia ser o suficiente para fazer pessoas controlarem seus orçamentos? A resposta, com felicidade, é sim!

Esse é o #MeuProjeto!

Apresentando: CASADOS COM OS CONSIGNADOS!

Nesse “episódio”, temos Jurema e Juremão (nomes ó-bviamente trocados). Ela é recém aposentada, ele é aposentados há mais de 10 anos, mas que teve que continuar trabalhando para pagar os boletos.

A renda média é de R$4mil, mas o padrão de consumo não condizia com esse valor. Apenas na fatura de cartão de crédito era gasto quase a totalidade da renda. A dívida? Bom, essa merece até uma tabela:

CATEGORIA QTD VALOR DA PARCELA VALOR TOTAL
CARTÃO-CONSIGNADO 1 TRETA R$ 2.422,58
CARTÃO DE CRÉDITO 1 1 R$3.215,88 (fatura) R$ 6.882,72
CARTÃO DE CRÉDITO 2 1 R$120 (fatura) R$ 489,53
REPARCELAMENTO DE LEÃO 1 R$ 115 R$ 1.265
CONSIGNADOS 8 R$540,86 (somando parcelinhas) R$ 28.940,17
Total R$ 40.000,00

 

Tipo das dívidas – explicando uma a uma

Cartão consignado

Tem algum parente ou amigo idoso? ou você é um idoso? Então fica o conselho: FUJA DO CARTÃO-CONSIGNADO! 

O cartão de crédito consignado funciona de forma parecida da de um cartão de crédito, mas tem algumas pegadinhas que facilitam o endividamento. Nessa modalidade, o consumidor tem uma dívida pré-aprovada, efetua compras e, no fim do mês, recebe a fatura. Inclusive, nesse tipo de cartão, pode ser efetuados saques, tal como um empréstimo consignado. O grande problema é que tal serviço é vendido para idosos  como um consignado tradicional e planejado para aposentados, porém, na realidade, há diferenças bruscas, que levam ao endividamento.

O Seu Juremão me contou que ele sempre efetuava o pagamento da fatura, até que a fatura começou a não vir para a residência deles e  uma parcela passou a ser descontada diretamente da aposentadoria. Foi aqui que essa se tornou a pior dívida, pois, na cabeça do seu Juremão, ele estava pagando um novo consignado. Na prática, com o não-pagamento da fatura, a pessoa entra no conhecido ROTATIVO, o valor descontado da aposentadoria é apenas a fatura mínima e o cartão cobra taxas abusivas aumentando o dívida na mesma velocidade que ela está sendo paga. Em resumo, todo mês é descontado 5% da sua aposentadoria, mas a sua dívida não diminui nunca (sim, você pagará até a morte). 

Cartão de crédito

Seu Juremão também tinha dois cartões, ambos cobrando anuidade e todas as taxas que as pessoas são manipuladas a pagar mesmo tendo lei que diz que não precisa, como a taxa de seguro por furto e perda.

Além disso, o casal estava na conhecida bola de neve: GASTA NO CARTÃO -> RECEBE SALÁRIO -> USA TODO O SALÁRIO PARA PAGAR O CARTÃO -> FICA SEM DINHEIRO -> USA O CARTÃO.  Isso somado ao uso indiscriminado faz a fatura ser maior do que o salário, assim, sem dinheiro para a fatura, a pessoa opta por parcelar ou pegar um empréstimo, mas não abre mão de usar o cartão. Seu Juremão fez isso 8 vezes, daí os 8 consignados. 

Dívida com o Leão

Nesse caso, é falta de planejamento. É comum as pessoas justificarem falta de dinheiro por, segundo elas, terem sido pegas desprevenidas com IPTU, IPVA, manutenção de carro/casa, escola dos filhos. A verdade é que imprevistos são previsíveis: se você tem carro, terá manutenção e IPVA. No caso do seu Juremão, todo ano ele declarava o Imposto de Renda, mas nunca fazia reserva do seu salário para pagamento do imposto. UÉ? 

Vamos ao processo de desendividar esse casal de Juremas!

PASSO 1: EXPLICANDO O MÉTODO

Sentei com Seu Juremão e expliquei o método 70/30, da Nath. O método consiste em viver um degrau abaixo do seu salário, vivendo o hoje com 70% e poupando e investindo, todos os meses 30% do seu salário.  Nesse método, todos os seus gastos essenciais, aqueles que você não pode viver sem, devem caber em 55% da renda.

Atenção: parcelas de cartão, parcelas de empréstimos e etc devem entrar aqui!

PASSO 2: FAZENDO UMA PIZZA (delícia!)

Não, não tem nada a ver com aquela pizza que você chama no app quando está com fome!

A ideia aqui é repartir seu salário em fatias da seguinte forma:

 

55% Gastos essenciais
30% Investimentos
10% Educação
5% Gastar com o que você quiser

 

No caso do Casal em questão, eles gastavam mais de 100% do salário com o que eles consideravam essencial. Para você ter uma ideia, o mercado custava quase R$2mil reais ao mês, ou seja, METADE de toda renda. Contas como mercado, gasolina e farmácia, além das conhecidas brusinhas, eram religiosamente parceladas no cartão. A regra era: fazer no máximo de parcelas possíveis, inclusive, gastos com farmácias, que eram parcelados em até 10x.

Que tal você fazer esse exercício? Desenhe a pizza nas proporções acima e coloque seus gastos em cada uma das categorias (sem pular nenhum!). Agora responda: você investe 30% da sua renda? Suas parcelinhas cabem nos 55%? E a pergunta que eu mais gosto: Se sua renda caísse pela metade hoje, o que você faria para manter o mesmo padrão de vida sem dar calote em ninguém?

PASSO 3: ESTANCANDO A SANGRIA

Estava claro, para mim, que era um caso claro de descontrole com cartão de crédito somado ao desconto hiperbólico e pensamento JAQUE. O que é isso?

DESCONTO HIPERBÓLICO: Aprendi na Jornada que o ser humano adora se iludir, achando que o futuro será melhor, ou seja, desconto hiperbólico é a crença infundada que o amanhã será melhor. Como isso de aplica no caso? Bom, o Seu Juremão sabia que aquele mês o salário não seria o suficiente para tudo, mas ele tinha fé que as coisas seriam controladas no próximo mês, então ele parcelava para ter uma folga hoje. Porém, com essa atitude ele condenava o seu salário futuro. A novela se repetia todos os meses.

PENSAMENTO JAQUE: O Seu Juremão dizia que dona Jurema deveria diminuir os gastos. Dona Jurema até tentava, na cabeça dela, mas daí ela via seu Juremão parcelando a farmácia com remédio (em vez de ir no médico), então ela pensava: Já que (daí JAQUE) ele está gastando, vou comprar essa brusinha aqui.

A solução é clara: estancar a sangria.

A fatura do mês foi paga e o casal viveu com o que sobrou de suas economias. Todos os cartões de créditos foram cancelados e eles passaram a pagar tudo em dinheiro, à vista e com desconto. Aliás, foi assim que dona Jurema passou a pedir desconto, coisa que ela dizia ser vergonhosa e que, inclusive, nunca tinha feito antes da vida. O dinheiro foi, de forma física, colocado dentro de envelopes, seguindo o padrão da pizza. Ah, já nesse mês, o casal passou a formar sua reserva de emergência.

O valor do supermercado foi reduzido para R$200 (semana), que era o maior gasto do casal, e o valor passou a ser controlado por Dona Jurema. Conclusão? Houve pesquisa de preço; Dona Jurema começou a frequentar mercados de bairros e comprar as verduras 1x por semana, no dia da promoção; também deixou de existir desperdício de comida e ninguém morreu de fome, acredita?

PASSO 4: CRIAR UM PLANO PARA O FUTURO

O casal passou a viver com 55% da sua renda, abriu uma conta na Nubank para a formação da reserva de emergência, passou a quitar os consignados mensalmente, ganhando desconto na dívida e pagando menos juros. Hoje, após a minha Jornada da Desfudência (sim, o curso da Nath), dos R$40mil de dívida, o casal já pagou R$16mil reais sem fazer nenhuma renda extra, apenas reorganizando suas finanças, e já possuem parte da reserva de emergência.

A empresa do Seu Juremão demitiu vários funcionários com a pandemia, ele permaneceu no emprego, mas já se ocupou de fazer o cálculo de como continuaria pagando as dívidas (sem fazer novos empréstimo) caso tivesse sido demitido. Adivinha o resultado? Com o valor a ser recebido pela demissão, ele conseguiria quitar o restante das dívidas, finalizar a reserva de emergência e ainda poderia viver apenas com sua aposentadoria, pois hoje ele aprendeu a viver um degrau a baixo. Falando em aposentadoria, Seu Juremão já traçou os passos de quando ele vai parar de trabalhar.

PASSO 5: AJUDAR MAIS PESSOAS

Você venceu duas dívidas? Conseguiu reorganizar seu orçamento e agora respira aliviada depois dessas dicas? Conhece alguém que precisa ler isso? Não fique parado!

Assim como eu resolvi aplicar a Jornada em outras pessoas, Seu Juremão já tem dois pupilos, para os quais ele está ensinando sobre orçamento doméstico e como sair das dívidas. E a Dona Jurema? Ela está ensinando as amigas a pedir desconto e comprar tudo à vista. Ambos estão seguindo, claro, o método Nathalia Arcuri.

Sabe por quê? Porque, assim como eu, esse casal de Juremas sabe que não tem graça enriquecer sozinho/a!

 

POSTAGENS RELACIONADAS

Indo além das finanças.

Essa semana, o quarto módulo da Jornada da Desfudência foi iniciado. O conteúdo agora é renda variável: chegou a hora de investir na bolsa! Com o novo módulo, decidi ampliar e dividir com vocês algo que eu já vinha fazendo desde janeiro desse ano. Mas antes de contar sobre o

Leia mais »

Dica de economia: fazer uma faxina financeira

A faxina financeira é o ato de acompanhar e verificar gastos e pensar em alternativas para redução e cortes, pelo menos 1x ao mês. As sujeiras finaceiras podem ser divididas em três tipos: sujeiras pesadas, médias e lambanças. Agora, pegue seu extrato e descubra o seu tipo de sujeira.

Leia mais »

Deixe seu comentário
sobre esse artigo

Gostaria de sugerir um tema
para a próxima postagem?

Gostaria de sugerir um tema para a próxima postagem?

© 2020 Viver de Renda | Por Talita Gress
Todos os direitos reservados.

© 2020 Viver de Renda | Por Talita Gress | Todos os direitos reservados.